Ensino Médio

Integrar Ciência e Arte

Querendo desvendar o mundo em seus enigmas, o jovem ama as ciências quando elas são ferramentas para conhecer a realidade. Com arte, podemos mais facilmente educar a vontade, transformando a obrigação em prazer.

O currículo então se amplia: história da arte, pintura, zoologia, antropologia, ecologia, meteorologia, astronomia, escultura, modelagem, ginástica Bothmer, tecnologia aplicada, teatro, coral, tecelagem, encadernação, trabalho com metal.

O Mundo é verdadeiro

Particularmente nessa fase, queremos compreender a realidade, encontrar princípios válidos e verdadeiros acima da moral e da estética. A responsabilidade do professor inclui a atitude de investigar, dirigir perguntas, além de sua postura ética. A busca pela autenticidade e verdade concretiza a procura do ideal de valores.

Capacidade de julgamento

Na adolescência, o jovem aspira ao julgamento independente através de seus interesses, de seu gosto e de seu pensar. Assim, surge também o idealismo e a posição crítica perante o mundo. O jovem quer lutar, questionar, entender tanto o mundo que o rodeia como o mundo interior que ele começa a experimentar.

Agora, o ensino precisa estimulá-lo a refletir sobre a realidade externa e sobre si mesmo. Educar o pensar é o desafio do Ensino Médio, um pensar que se liberte da massificação, dos preconceitos. Devemos buscar o desabrochar da individualidade.

Não importa que eu tenha uma opinião diferente da do outro, e sim que o outro venha a encontrar o certo a partir de si próprio, se eu contribuir um pouco para tal.

Rudolf Steiner, Viagens de aprofundamento

Nosso currículo propõe

No 9º ano, um estágio agrícola em uma fazenda biológica ou biodinâmica com atividade prática intensiva, desenvolvendo a percepção ecológica.

No 10º ano, como parte da tecnologia e ciência da vida, os alunos vão trabalhar no campo com agrimensura, com aplicação prática da matemática e geografia. Outra viagem prática focaliza a observação e o trabalho em ecossistemas marinhos.

No 11º ano, chega o momento de duas vivências importantes: uma viagem de estágio social com atividades de pesquisa durante o dia (geografia humana) e astronomia à noite; e uma viagem de estudos sobre o tema "Parsifal".

No 12º ano, além da apresentação do teatro e da elaboração de um trabalho de conclusão de curso, desenvolve-se uma época de estágio industrial para melhor percepção dos processos complexos de uma empresa ou indústria.

Dos trabalhos manuais à tecnologia

As vivências de trabalhos manuais no Ensino Fundamental estavam, principalmente, a serviço de ajudar a criança a se integrar no mundo, agora, as atividades tecno-artesanais correspondem às exigências do mundo, devendo levar ao treino de um raciocínio preciso, ligado à vida prática, e à uma sensibilidade exata.

Fiação, tecelagem, artesanato com base matemática, física (força e energia) e química, incluindo questões ambientais, devem ter um efeito decisivo sobre a evolução geral do jovem. "Todo o ensino deve ensinar para a vida".

Avaliação

A avaliação é feita de forma contínua, dinâmica e cumulativa sob sistema de aferição de resultados, de trabalhos individuais, debates em seminários, participação e cooperação ativa, elaboração de cadernos, comportamento, provas de dissertação e, sobretudo, o seu esforço e progresso dentro do equilíbrio harmonioso entre o querer, sentir e pensar.

No final de cada bimestre, ele recebe um boletim quantitativo do seu desempenho. No 12º ano, porém, há um diferencial, cada aluno também prepara um trabalho anual de pesquisa, de acordo com sua motivação, aptidão e possibilidade.

No final do Ensino Médio, os alunos recebem o certificado de conclusão de curso, além do boletim geral das matérias relacionadas.

Segundo Rudolf Steiner

Não pode possuir a firmeza do querer quem não submeteu sua força de vontade a um verdadeiro treino pela atividade artística.

 

Currículo

Leia também

Ensino Infantil

Ensino Fundamental